Arquivos Mensais: janeiro \25\UTC 2014

Atualidade política, por Alysson Mascaro

Parece-me, enfim, que (embora não concorde com essa divisão) se a direita defende a manutenção do status quo, e a esquerda acha que tem que mudar alguma coisa: é dever de todo o cidadão de bem estar à esquerda…

Compartilho aqui texto do professor Alysson Mascaro, com uma excelente análise política da atualidade. Achei que o “búsilis” (haha muito Streck) do “pano pra manga” que vai dar aqui pode ficar mais inteligível na leitura foucaultiana que eu fiz: diagnosticar a ‘microfísica da corrupção’… primeiro. Depois, encontrar a sua relação com a exploração do capital. Mas aí é um passo enorme, vá com calma, homem-de-bem-de-direita.

“O assim chamado mensalão nem é o maior nem o único caso de corrupção no Brasil. A corrupção está atrelada à base da sociabilidade capitalista. Se o capital compra o trabalho e as vidas das pessoas, ele influencia sobremaneira os trâmites da política. A corrupção, assim, está perpassada por toda a sociedade. Desde os administradores das empresas privadas, passando pela população no geral em pequenas ilegalidades, até chegar ao nível eleitoral e estatal, o capital compra.” Alysson Mascaro

Imagem

http://blogdaboitempo.com.br/2014/01/13/sobre-a-atualidade-politica/

A vida é igual café

Entendi uma coisa: a vida é igual café. Café bom é o 2F: Forte e Fervendo. Tem o ruim, que é o 3F (Frio, Fraco e Fedorento), e o muito ruim, que é o 5F (Frio, Fraco, Fedorento e com Formiga no Fundo). A vida também tem que ser 2F: FÉ e FOCO.

‘Dasein’ da hermeneuta

Não em vão desfez-se a mestra,
limitada à finitude,
desvelando o ser do sábio
em sua mais bela virtude.

A verdade que supunha,
entendi não ser suprema.
Constrangido pelo ser
do outro, pousei a pena.

Entendida por inteiro,
sabe-se já que não foi.
Mas não há desanimar.

É o diálogo incansável
que ilumina o ente sábio
pra o discípulo enxergar.

(Dedicado à Prof. Ângela A. S. Espindola, cuja disciplina de “Hermenêutica Jurídica” inspirou este soneto, e que, ao finalizar a ministração semestral, concluiu relembrando o “caráter ametódico” da disciplina ministrada, o que exigiu um grande esforço hermenêutico… rs E ao eminentíssimo Professor Engenheiro, Filósofo, Matemático, Sociólogo (esqueci alguma?…) Ivan Zolin,  incentivador-mor do meu espírito poético.. rs)

* o “Dasein” é um termo utilizado por Martin Heidegger, utilizado na hermenêutica filosófica, tendo como um dos maiores defensores brasileiros o Prof. Lênio Streck (visite o site do professor). Fonte de inspiração para esse soneto foi também o texto “O direito e as possibilidades epistemológicas do paradigma hermenêutico”, do Dr. Wálber Araújo Carneiro, publicado no livro “Hermenêutica e Epistemologia: 50 anos de Verdade e Método”, pela editora Livraria do Advogado. Daí tomo as expressões do “desvelamento” do ser, do “iluminar o ente”, do “constrangimento ontológico”, que se dá a partir do “diálogo desvelador”. Um desenvolvimento teórico mais profundo do pensamento do Dr. Carneiro pode ser encontrado em sua tese de doutorado, pela UNISINOS, que também foi publicada pela Livraria do Advogado. As contribuições de Heidegger tem um alcance muito abrangente, veja aqui um trabalho sobre a “psicologia heideggeriana”, por Marcelo Vial Roehe.